quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Homem novo


Como foi possível que, nos séculos XIX e XX, a retórica da construção social do homem novo tivesse tanto sucesso? Como fomos capazes de nos enganarmos ao ponto de crer na possibilidade de um paraíso terrestre, do qual estariam eliminados todos os safados? A humanidade é um depósito inesgotável de safados e de safadezas. A ideia do homem novo não é propriamente comunista, como muita gente pensa, mas cristã. Veja-se como se portam estes pobres padres à volta da sua pequena propriedade na Basílica da Natividade, em Belém. Se nem do espírito nasceu um homem novo, como seria possível fazê-lo emergir das manigâncias e arranjos sociais? Por detrás de um sorriso simpático e afável, esconde-se sempre o velho macaco.