quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O desamor à liberdade


A democracia, enquanto regime político, nunca gerou grandes paixões em Portugal. Pressente-se, por norma, uma certa condescendência perante a sua existência, como se ela não fosse um regime político sério e a sério. O estudo "AQualidade da Democracia em Portugal: a Perspectiva dos Cidadãos" revela que apenas 56% dos portugueses acreditam que que ela é o melhor sistema político. O estudo chama a atenção para duas vertentes que deverão ser pensadas conjuntamente. Por um lado, o apelo autoritário; por outro, o problema da justiça social ancorado na redistribuição da riqueza produzida. Segundo um dos autores do estudo, António Costa Pinto, "existe uma eminente contradição entre o que a democracia aponta como questão fundamental, que são as eleições livres, e o que as pessoas pensam que é que a democracia, ou seja, que ela assenta na redistribuição da riqueza, no emprego e no combate à exclusão social".

Ora é preciso compreender historicamente o problema. Portugal não só tem uma longa história de regimes autoritários, como a derrota, com 25 de Abril de 1974, da ditadura e a instauração de uma democracia representativa esteve ligada ao redesenhar do pacto social com a promessa de uma redistribuição menos desigual dos rendimentos. De certa forma, a narrativa geral (à esquerda e à direita) foi que a democracia promovia, contrariamente à experiência dos autoritarismos, uma redistribuição mais equilibrada e equitativa. Os partidos políticos tentaram assim comprar – num país essencialmente pobre – os cidadãos para o regime. Não foi o amor à liberdade que mobilizou as pessoas para a democracia, foi o sonho de uma vida um pouco mais decente, foi o querer fazer parte integrante desse pacto e ser reconhecido como um igual. Quando esse sonho se desmorona, quando a desigualdade crescente parece ser o único produto social do regime democrático, é natural que o ancestral desamor à liberdade cresça, prenunciando o momento em que uma larga fatia da população esperará pela vinda de um salvador.