sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Poema 16 - Tudo é sombra neste dia de sol inteiro


Tudo é sombra neste dia de sol inteiro.
Tudo é vendaval na serena madrugada.
De que valem as minhas preces
se a noite será o fim da jornada?

As ordenações da morte caíram sobre a pátria
e morreu o fulgor na casa vazia.
Levaram a saudade daquilo que adorei
e a memória que foi minha um dia.

Qual o lugar para quem ama a liberdade
ou para o jardim onde morreu a tua flor?
Tudo se extingue envolto em cansaço,

como se não houvesse luz ou verdade,
e da pátria apenas restasse a dor,
que cai sobre o que amo ou faço.