segunda-feira, 5 de março de 2012

Um destino petrificado


Este artigo do Público sobre questões de saúde revela um sentimento de impotência que cresce desmesurado em Portugal e, porventura, na Europa. No fundo, para a generalidade das pessoas, o seu destino está determinado pelo topos social onde nasceu. Quem é pelo menos tão velho quanto eu já passou por momentos sociais em que isso não parecia ser assim. Na sequência do 25 de Abril, cresceu durante algum tempo, bem para lá do 25 de Novembro de 1975, um certo espírito igualitarista, o qual desfazia, em aparência, as fatalidades do nascimento. Nesses tempos, apesar de tudo, os mal-nascidos socialmente (e esses eram uma larguíssima maioria) sentiam menos o lugar onde tinham nascido ou, o que também acontecia, orgulhavam-se desse topos. Esse espírito igualitário subsistiu na vida social durante muito tempo, embora já no início dos anos 80 se notasse um grande investimento das elites sociais na diferenciação. A fábula igualitária estava a entrar em decadência.

A entrada para a União Europeia, porém, veio trazer uma compensação para a perda do referencial igualitário. A nova narrativa centrava-se na meritocracia. Com a abertura das fronteiras e a entrada de grandes fluxos de capital, pensámos menos em igualdade e mais numa imaterial igualdade de oportunidades. A diferença entre pessoas pessoas existiria, mas estaria fundada no mérito individual, na capacidade de trabalho, no reconhecimento que o esforço receberia da sociedade. Esta nova fábula, pois sempre se tratou de uma fábula, não resistiu às primeiras rabanadas de vento. Os mais sensíveis, ou mais inteligentes, perceberam de imediato que, por detrás da ideologia do mérito, estavam os velhos fantasmas do pedigree social. E esses fantasmas não eram tão imateriais quanto um fantasma deve ser.

Lentamente, desde o início dos anos 90, a percepção da possibilidade de mobilidade social começou a desfazer-se, a velha topologia social voltava, e voltava reforçada e rancorosa, desejosa de fazer pagar as ilusões daqueles que um dia foram embalados pelo sonho igualitário ou pelo meritocrático. A experiência social dos últimos anos tem sido decisiva. As estruturas sociais estão petrificadas, a mobilidade social é inexistente (as excepções apenas confirmam a regra) e as gerações que sonharam em ter uma vida melhor que a dos seus pais a única coisa que aspiram, neste momento, é que os pais continuem a dar-lhes de comer. Um dos resultados da crise foi trazer para a direcção do país um discurso político que acompanha as medidas de austeridade com uma moralização da pobreza generalizada e a silenciosa glorificação de uma estratificação social imutável. A liberdade transformou-se em destino, um destino marcado pelo lugar social onde se nasce. Não por acaso, nestes anos o fado recuperou o seu estatuto de canção nacional. Como diz o título do artigo do Público, do nascimento à morte o que conta é a classe social. Um fado.