sábado, 5 de maio de 2012

Missa Pro Defunctis (IV)


4. Tractus

O frio da manhã encobre o terror da tarde,
promessa de água luminosa
no purgatório do calor se anuncia.

Uma cotovia poisa na ramagem seca
e canta a partida dos exércitos
para o deserto desconhecido da morte.

Vão serenos na palidez do rosto,
marcham de peito triunfante
e não olham as flores nos jardins.

Sentem na face o frio da madrugada
e de ventre revolvido caminham,
pois um novo amor os espera.

Um cântico longínquo chama os exércitos
e eles marcham esquecidos estrada fora
para a terra onde a luz nunca se apaga.

O coração esconde-se na sombra dos plátanos.
Em breve, tudo será luz e sol e calor
sob o silencioso silêncio da batalha.

-------------
Missa Pro Defunctis é um ciclo de poemas escrito em Setembro e Outubro de 2011. É constituído por 21 poemas e pretende ser uma meditação poética sobre a nossa situação actual, meditação que acompanha a estrutura de um Requiem na tradição religiosa católica. Será publicado integralmente neste blogue nos próximos tempos, embora sem periodicidade diária ou qualquer outra.