sábado, 26 de maio de 2012

Missa Pro Defunctis (VIII)

8. Sequentia: iv. Rex tremendæ

Majestade, majestade, pobre majestade,
Que fizemos do reino, o reino que entregaste
Ao desvario das tardes de calor, reino de água,
Água fresca e cintilante caída dos céus
Sobre um deserto de carros sangrados em silêncio,
Homens de vísceras revolvidas a fumegar entre mãos?

O tremendo clarão, o porto incendiado,
Bolas de neve a bambolear encosta abaixo,
Tempestade invernosa e fria no calor meridional.
Sussurram e riem, impotentes, os amantes,
A mão no clítoris exausto, esperma corre pelas pernas,
Os corpos requebrados, varas movidas pelo vento.

Majestade, majestade, pobre majestade,
Uma lata de atum, o mar a balançar no esgoto,
O desenho das algas secas sobre as areias da praia,
E um grito ribomba nas sucatas de ferro:
Crescem gerânios e buganvílias pelo zelo das mãos,
Uma conspiração de moscas e melgas ao crepúsculo.

O tremendo cheiro nauseabundo nas margens.
Sonho com a cidade – a luz de Lisboa – e enlouqueço,
O corpo pelo chão, que um anjo me salve.
Zumbe nos carris o eléctrico e caem as últimas árvores.
Restam, entre campas, alguns ciprestes,
E na casa branca a nogueira, para morte a plantei.

Majestade, majestade, pobre majestade,
O presépio singular, deram-to por palácio,
O trono onde os ossos rangeram e o sangue golfou
São promontório, rocha escarpada no voo da águia:
Cresce sobre a terra, abate-se em nossos filhos,
Arrebata o prémio, o desvario o doou.

O tremendo rugir de todas as televisões.
Os locutores abrem a boca, salivam, cospem,
E tudo canta. Onde o silêncio a rosa,
A luz pura a desvanecer-se ao cair a noite?
Troveja o celofane, coristas nuas abanam a cauda,
Cadelas sem cio, sem sexo, a latir noite fora.

Majestade, majestade, pobre majestade…
A tremenda majestade grita no reino confiscado.

---------

Missa Pro Defunctis é um ciclo de poemas escrito em Setembro e Outubro de 2011. É constituído por 21 poemas e pretende ser uma meditação poética sobre a nossa situação actual, meditação que acompanha a estrutura de um Requiem na tradição religiosa católica. Será publicado integralmente neste blogue nos próximos tempos, embora sem periodicidade diária ou qualquer outra.