sábado, 18 de agosto de 2012

Um sistema sem saída

Salvador Dali - Explosión de la fe mística en el centro de una catedral (1960-1974)

O sociólogo norte-americano Immanuel Wallerstein, neste artigo, coloca, perante a actual crise mundial, a seguinte questão: E se não houver saída nenhuma? A simples hipótese levantada é já um acontecimento  Por norma, discutem-se as saídas possíveis, partindo do pressuposto que, dentro daquilo que se conhece, estará disponível uma saída. É sobre isto que pretendo reflectir a partir de dois exemplos muito conhecidos. Antes disso, contudo, vale a pena ler um excerto do texto de Wallerstein: É um círculo vicioso e não há saída fácil aceitável. Pode significar que não há saída alguma. É algo que alguns de nós chamamos crise estrutural da economia-mundo capitalista. Produz flutuações caóticas (e selvagens) quando o sistema chega a encruzilhadas, sobre que sistema deveria substituir aquele sob o qual vivemos.

Em 1974, a questão da Guerra Colonial, nas ditas províncias ultramarinas portuguesas, não tinha em si-mesma qualquer saída. Nenhuma das partes - com excepção provável da Guiné Bissau - tinha capacidade para impor uma saída à outra. O horizonte conflitual era absolutamente indefinido. Ora a Guerra Colonial inscrevia-se dentro do sistema político português. Como este não tinha qualquer saída para o problema colonial acabou por implodir. O jogo de forças dava-se dentro de um mundo fechado, onde não havia escapatória para as tensões em presença. O 25 de Abril de 1974 é o resultado dessas tensões e, ao mesmo tempo, a explosão do sistema onde elas ocorriam.

No final da década de oitenta do século passado, os regimes comunistas do bloco de leste, com a União Soviética à cabeça, representavam um sistema absolutamente fechado. Um sistema muito maior que o português, mas tão ou mais fechado sobre si que o sistema político nacional. A economia planificada  e sem iniciativa privada mostrara-se um incomensurável flop, o qual, aliado a sistemas políticos rígidos e sem saídas, gerou tensões interiores tão grandes que o resultado foi o que se conhece: a implosão repentina de todo o bloco comunista. Pareciam castelos de areia a ruir.

Ao globalizar a economia, ao unificar todo o planeta ao nível económico e político, o sistema-mundo (para utilizar um conceito grato a Wallerstein) fechou-se sobre si mesmo. Este mundo, onde se dão as flutuações caóticas e selvagens assinaladas por Wallerstein, sofre, apesar da dimensão ser maior, do mesmo tipo de oclusão do que aqueles que atrás referimos. Por que razão deveria ter um destino diferente? As tensões que o percorrem são cada vez maiores. Tensões económicas, ambientais, sociais, políticas e religiosas. Sem saídas de emergência, o destino do sistema é de não ter saída alguma. Isto significará, a prazo, a implosão do sistema e um recomeço fora do sistema-mundo tal como foi pensado e construído até aqui.