segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Pudor

François Maréchal - Pudor (1993)

Não suporto essa luz. A razão? Perguntas, como se não soubesses. A luz rasga-me a face, entra-me pelos olhos, incendeia-me o cérebro, agora um monte de escombros. Poupa-me as perguntas inúteis. Só a sombra me permite sorrir, só ela torna possível que me olhes. Coleccionas destroços, restos de quem um dia foi inteiro e se quebrou contra os rochedos. Muito bem, mas apaga a luz, desvia-a de mim. Para, imploro-te. Não tenho medo de ti nem dos meus segredos. Segredos femininos, não me faças rir. As mulheres só têm um segredo. Qual? O de não terem qualquer segredo, de serem transparentes, tanto que os homens ficam cegos. Nem segredos nem medo, nada. Apenas pudor.