sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Falhámos

A minha crónica semanal no Jornal Torrejano.

Independentemente da apreciação das elites governantes que nos têm saído em sorte – e a minha apreciação é muito negativa –, precisamos de tomar consciência de que falhámos dolorosamente. Em todo o lugar onde a voz do povo se faz ouvir, há um clamor contra a elite política. Este clamor é perigoso, não tanto porque pode prenunciar o desejo de uma solução política ditatorial, mas porque é uma desresponsabilização das próprias pessoas, é a criação de uma ilusão sobre o lugar onde reside o mal, é eleger um bode expiatório.

Por muito iníquos e incompetentes que os políticos tenham sido, a verdade é que os elegemos. À direita e à esquerda, ninguém exerceu um cargo político sem que uma maioria de nós o tenha caucionado e apoiado. A contínua degradação da classe política não mereceu, da parte do povo português, mais do que um encolher de ombros e o comentário habitual ”são todos iguais”. Achámos, durante décadas, após a oferta da democracia, que o bem comum, a gestão da coisa pública, os interesses da comunidade não nos diziam respeito, que haveria alguém que cuidaria de tudo isso, sem que nos tivéssemos de preocupar, a não ser em votar de quando em vez. Não percebemos, e parece que não queremos perceber, que fomos cúmplices na degradação da res publica. Não pecámos pelos actos, mas pelas omissões.

Mas não foi só aí que falhámos. A forma como deixámos degradar, ou como colaborámos activamente, as instituições sociais – os sistemas de saúde, de ensino, de protecção social – mostra o pouco respeito que temos tido por aquilo que é comum. A própria relação com o Estado é perversa. O Estado é visto, muitas vezes, como um inimigo que há que enganar ou uma espécie de vaca pouco sagrada, cuja teta há que espremer até mais não poder. Não quisemos, nem parece que queiramos, perceber que o Estado é a forma como a comunidade se organiza para viver em paz pública e toma decisões que visam o bem comum. Que precisamos de o defender não porque ele tenha que nos dar alguma coisa, mas porque sem ele a vida não seria possível.

Esta terrível crise pode ser uma oportunidade para compreendermos onde falhámos, para percebermos que o nosso destino comum depende de nós e não apenas dos políticos eleitos, que devemos ser muito exigentes com quem elegemos. Uma pátria organizada em Estado confere direitos, mas em contrapartida exige um conjunto de deveres. Ser patriota – e não há país viável sem um mínimo de patriotismo – não é andar com a bandeira às costas se joga a selecção. Ser patriota é cuidar muito atentamente do bem comum, das instituições da república. Este é o nosso dever fundamental.