quarta-feira, 17 de outubro de 2012

O espírito alemão

Pedro Fernandéz Cuesta - Espíritus más o menos enfermos

«Espírito alemão» - desde há dezoito anos uma contradictio in adjecto. (Nietzsche, Crepúsculo dos Ídolos. Máximas e Dardos, 23.

A Alemanha não tem espírito? Não há um espírito alemão? A quem falou Fichte nas Cartas à Nação Alemã? Nietzsche não tem razão. Claro que há um espírito alemão, um espírito para o qual o próprio Nietzsche se preparou e que abraçou ao enlouquecer. Deveríamos antes falar da patologia espiritual alemã. A Reforma luterana, o espírito prussiano, a ideologia alemã, os ditirambos nacional-socialistas, o desprezo actual dos bebedores de cerveja pelos países que amam o vinho. Tudo sintomas de uma longa doença espiritual. Temo que não haja purgação possível.