sexta-feira, 5 de outubro de 2012

O perigo do abismo

A minha crónica semanal no Jornal Torrejano.

Um dos principais problemas da crise resulta dela ser objectivamente boa para a generalidade dos actores políticos e sociais. Ela é má para os cidadãos comuns, para os trabalhadores e para a generalidade das empresas, embora não para todos os empresários. Perante este quadro, as pessoas descrêem dos actores políticos e desconfiam, não sem razão, que estes têm muito mais a ganhar com a crise do que a perder.

Uns aproveitam a crise para impor uma agenda de interesses particulares que, numa situação normal, seria impensável. Neste caso, os actores políticos  não evitam mesmo o sacrifício do seu nicho de mercado eleitoral em troca dos ganhos daqueles a quem eles, efectivamente, representam. Esta atitude está escorada na crença de que não há qualquer alternativa, mas uma alternância de grupo dirigente. O novo poder continuará a mesma política, servindo os mesmos amos, enquanto o grupo que sai do poder, vai descansar, engordar o pecúlio eleitoral, para retomar o serviço quando chegar a nova hora de alternância.

Outros vêem na crise a grande oportunidade de aumentar a sua influência política, de saírem do apertado limiar a que uma situação normal os condena, de ganharem espaço político, de imporem a força da rua, os seus slogans e palavras de ordem. Caso os deuses enlouqueçam por completo, não deitarão fora a oportunidade de nos impor a bondade dos seus préstimos e de implantarem a utopiazinha que lhes anima a alma.

Na verdade, a resolução equilibrada, sensata e negociada da crise não aproveita a ninguém na esfera dos partidos políticos, e ninguém, na verdade, a quer. Tudo o que vemos – com a excepção daqueles happenings, por vezes gigantescos, que são as manifestações dos movimentos sociais espontâneos – não passa de um exercício cínico, onde os interesses das pessoas são imolados aos interesses das várias elites em confronto.

A crise ao oferecer a possibilidade das partes maximizarem os lucros políticos coloca a comunidade à beira do colapso, deixa as pessoas sem uma horizonte de esperança, essa grande ilusão necessária à vida. Por outro lado, para que uma comunidade exista há um consenso mínimo necessário. O que se está a assistir é que a voragem provocada pela maximização dos ganhos políticos se aproxima perigosamente da destruição desse consenso mínimo. Ainda não é visível, mas a brecha já tomou conta dos alicerces da casa. Este é o grande perigo, o perigo de um abismo que acabará por ser preenchido por algo nada recomendável.