quinta-feira, 22 de novembro de 2012

A virtude que resta

Rui Chafes - Durante o sono

Talvez sejamos um povo adormecido. Um povo de alienados, dirão alguns. Puro engano. Alienado é aquele que é estranho a si mesmo. Estar adormecido pode significar cansaço e adormecer pode bem ser uma decisão de um povo sábio, de uma sabedoria aprendida durante quase nove séculos. A dormir não mudaremos o curso do mundo, nada inscrevemos no real, como diria o filósofo José Gil. É verdade, mas talvez saibamos que tudo isso é inútil e que a única virtude que nos resta é dormir. Suspendemos a gravidade, flutuamos por cima da conjuntura, e deixamos apenas que ténues fios nos liguem ao mal. Se nos matarem, nem daremos por isso.