sábado, 24 de novembro de 2012

O tempo das Cassandras

Enrico Prampolini - Cassandra

Nunca como hoje o tempo é das Cassandras. Como em Tróia, aqueles que, por cá, anunciaram desde o início que o caminho decidido pelo governo nos levaria à ruína e a um beco sem saída foram ridicularizados, desprezados e, para que não houvesse qualquer hipótese de a verdade vir à luz, silenciados (sim, não há censura de lápis azuis, mas uma escolha selecta dos que interpretam a realidade económica e social). Em contrapartida, os falsos profetas como os Gaspares, os Relvas, os Coelhos e todos os que fazem previsões mirabolantes têm tanto mais crédito quanto mais se enganam. Talvez não seja um mistério a razão por que os falsos profetas são escutados, enquanto as verdadeiras Cassandras, aquelas que ouvem as vozes dos deuses, isto é, da realidade, não merecem mais do que um sorriso de condescendência, se não de desprezo. O mundo nunca foi o lugar da verdade.