sábado, 22 de dezembro de 2012

Poema 46 - Natividade do Senhor

Josefa de Óbidos - Natividade

46. Natividade do Senhor

A luz que ilumina a criança nascida
abre-se do alto, rasga o mundo,
e revela-nos o deslumbramento
que a vida traz sobre a terra,
o pó miserável onde cresce a palha,
o mais secreto e visível dos berços,
lugar de glória que irrompe da pobreza.

Todos aqueles que não têm rosto,
e cuja estirpe o vento apagou,
nasceram na luz daquela hora.
Sobre eles, de súbito, desceu um halo
e um anjo tremente segredou-lhes: 
também vós sois filhos do orvalho
e o crepúsculo chama-vos Senhor.

Serão sólidos os vossos ombros
e serena e luminosa a face?
Tereis a coragem da cruz e da coroa?
Em vós o eterno proclama a glória
e de cada um espera o porte majestoso.
Os campos aguardam o vosso reino,
a cidade implora-vos a salvação.