sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Aspirinas

A minha crónica semanal no Jornal Torrejano.

O retorno é uma palavra com imensa fortuna nos dias de hoje. Retornar à indústria, retornar às pescas, retornar à agricultura. O entusiasmo é tanto que há deputados desejosos de encontrar um novo engenheiro Sousa Veloso e ressuscitar o TV Rural. Depois de se terem criado condições para destruir as várias áreas económicas do país, assiste-se, nestes dias de completa impotência política e económica, ao crescimento de um coro de vozes a exigir o retorno ao que fizemos no passado. Muitas vezes os regentes do coro são os mesmos que dirigiram a orquestra, quando ela se desfazia daquilo que agora nos há-de salvar para sempre, isto é, a indústria, as pescas e a agricultura.

Esta desfaçatez e esta desvergonha nem se devem a uma maldade intrínseca das personagens, mas a uma acentuada e rápida perda de memória e, mais importante ainda, ao facto de ninguém saber o que há-de fazer com o país, para que ele faça alguma coisa e tenha um futuro à sua frente. Não há muitos anos, Portugal era inundado pela retórica da economia do conhecimento, pelo investimento em educação, os quais, por milagre da santa da Ladeira, nos iriam guiar aos primeiro lugares da inovação económica e da riqueza material. 

Todas estas fantasias não resistiram ao primeiro sopro de um vento agreste e mal disposto. Como um castelo de cartas, a economia nacional do conhecimento e o investimento em educação desabaram e andam pelas ruas da amargura. A ideia de retorno à mirífica época da industrialização, bem como às pescas e à terra, não passa de um exercício diletante e sem qualquer conteúdo sólido. Não é que não precisemos de indústrias. Não é que não precisemos de voltar ao mar e à terra, mas onde estão as condições objectivas que tornem isso possível? 

Como é que essa nossa futura indústria vai competir com a produção asiática? E onde iremos inventar uma frota de pesca para fazer frente às potências que se instalaram no mar enquanto nós vendíamos os barcos? Para além do vinho e do azeite (coisas que aprendemos a fazer bem), que produtos agrícolas os nossos parceiros da UE nos deixarão agriculturar para satisfazer os nossos arautos do retorno à terra? Mas mais que tudo isso, onde estão os capitais e os investidores dispostos a levar para frente tão imaculado projecto? 

O mundo mudou, as fronteiras estão abertas e nada indica que vão ser fechadas. Na verdade, estamos metidos numa alhada e ninguém, mas ninguém mesmo, faz a mínima ideia como sair dela. Proclamar bem alto a necessidade de retornar ao que acabou é como querer curar um cancro à força de tomar aspirinas.