quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Um liberalismo policial

Frantisek Kupka - La Libertad. Portada para L'Assiette au beurre (1906)

Parece que Francisco José Viegas (FJV) escandalizou meio mundo ao dizer o que faria, à saída de um estabelecimento, se um agente tributário o abordasse para saber se ele tinha pedido factura. O desabafo blogueiro de FJV compreende-se perfeitamente. Esta coisa de transformar o país numa agência de fiscais das finanças, fiscalizados por outros fiscais de finanças, só pode sair de cabeças ociosas e ignorantes. Na verdade, há uma parte da economia que passa ao lado da tributação. Ora o papel do Estado é resolver o assunto e não criar uma sociedade policial, onde todos vigiam todos, para assegurar que o café que tomo pague imposto. O que é interessante no meio de tudo isto é a propensão burocrática e totalitária dos nossos governantes liberais. Tanto querem libertar a sociedade que estão a criar um estado policial. Um liberalismo policial