sábado, 11 de maio de 2013

Poema 64 - Corpo perdido na sombra do deserto

Brull Carreras - Desierto de Atacama (Chile)

64. Corpo perdido na sombra do deserto

Corpo perdido na sombra do deserto,
um traço de angústia sob o sol,
o coração desfigurado no tumulto da manhã,
esperança de uma caravana que passa
e deixa no ar o húmus da vida.

Abriste o corpo ao látego do desejo
e tudo estremeceu sobre a terra,
a memória das coisas passadas,
poeira que cobria os últimos cactos,
o amor despedaçado nas dunas imóveis.

Houvesse ainda uma fonte em teu corpo
e os meus lábios abrir-se-iam para ti.
Sedentos, deixariam correr a água,
enquanto a areia branca e silenciosa
se cobria de erva sob o novelo da tarde.