segunda-feira, 24 de junho de 2013

O último refúgio

Giacomo Balla - Manifestação patriótica (1915)

Dizer que Durão Barroso é o carburante da extrema-direita peca por defeito. Para além de Durão Barroso - em última análise, personagem secundária em todo este enredo -, há muita gente, por essa Europa fora, que está a alimentar o crescimento da extrema-direita. O crescimento da extrema-direita está assente em dois pilares centrais. No primeiro, encontra-se a conversão da direita e da esquerda social-democrata ao liberalismo e o apoio que têm dado à radicalização dos processos de liberalização da economia e à consequente destruição do Estado Providência. No segundo pilar, está a esquerda não social-democrata e a sua impotência em encontrar políticas credíveis que permitam manter uma certa harmonia nacional. Quem olhar com a atenção o desenvolvimento da sociedade francesa percebe que o crescimento do partido de Marine Le Pen se deve à traição de uns e à impotência de outros. Quando tudo falha, o patriotismo é último refúgio dos desesperados e não apenas dos canalhas, como pensava Samuel Johnson.