quinta-feira, 18 de julho de 2013

Igualdade e rivalidade

Joaquin Sorolla y Bastida - As duas irmãs (1909)

Estou em maré de falta de respeito pela lógica. Ao observar o comportamento das minhas netas, fez-se luz, no meu pobre e triste cérebro, acerca da persistência na humanidade dos ideais igualitários, entre eles o comunismo. Serão elas umas terríveis e precoces teóricas da igualdade? Claro que não, as pobres só têm dois anos e meio, uma, e quase cinco, outra, e comportam-se como todas as crianças da sua idade. E o problema está todo aí. Não há coisa que se dê ou faça a uma que a outra não queira exactamente o mesmo. Se não o obtiver sente-se injustiçada  e discriminada. A exigência de igualdade é, para elas, uma norma absoluta. 

Dir-se-á, não sem alguma razão, que o crescimento e a socialização moderarão esta atracção pela igualdade material, e um principio de rivalidade, nomeadamente em relação aos que estão fora da família, mas também  aos próprios irmãos, fará o seu caminho, sendo uma espécie de fundamento antropológico do ponto de vista liberal. O que é importante sublinhar, contudo e nestes dias de incenso à rivalidade, é a força deste igualitarismo originário. 

Um dos problemas que conduziu à falência de todas as experiências comunistas foi a anulação - na verdade, foi apenas um transfert da vida económica para a vida política dentro dos partidos comunistas - da inclinação para a rivalidade que existe em todos nós. O que é preocupante no liberalismo, por outro lado, é a anulação da aspiração à igualdade, aspiração que está depositada bem fundo no coração humano. Na verdade, aspiração à igualdade e inclinação para a rivalidade são duas faces da mesma moeda. Quando pretendemos separar e deitar fora uma das faces, destruímos a moeda. Foi isso que aconteceu nos países comunistas. É isso que está a acontecer nos países ocidentais.

-------------

E com esta indução, fundada na observação de um único caso, este blogue dá a si mesmo um justo intervalo de meia dúzia de dias. Não são férias do blogger, mas um intervalo do blogue. Alors, a bientôt!