quarta-feira, 11 de setembro de 2013

O jesuíta franciscano

Lucien Freud - Hotel bedroom (1954)

Estará a Igreja, pelo menos as elites sociais que dela fazem parte, preparada para este Papa? Num mundo como o nosso, onde o dinheiro e o lucro são o objectivo central da vida social e individual, não será uma provocação ao Zeitgeist a proposta de Francisco para transformar os conventos vazios em centros de refugiados e não em hotéis de luxo para ganhar dinheiro? Francisco está a ser fiel à ideia de contradição com que nasceu o cristianismo. Isso, por certo, terá peso no coração do homem comum, mas não haverá já quem, dentro da Igreja, esteja preocupado com esta propensão para os pobres, os fracos e os desvalidos? Na verdade, ser autenticamente cristão, ser fiel ao espírito que nega os poderes mundanos, é o mais terrível insulto que se pode fazer às ideias triunfantes. Até quando estas suportarão este Papa jesuíta de inclinação franciscana?