quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Póquer na Síria

Felix Vallotton - Poker (1902)

O senador norte-americano John McCain, antigo candidato republicano à Presidência, foi apanhado a jogar póquer no telemóvel,  enquanto os representantes do governo de Barack Obama explicavam ao Senado as razões para um ataque à Síria. McCain é favorável à intervenção militar. Poder-se-ia dizer que a vida e a morte de milhares de pessoas está na mão de dirigentes políticos que, quando se discutem problemas tão graves como os da guerra, se entretêm com o seu iPhone. E acrescentar-se-ia, não sem fundamento, que a vida dos outros pouco incomoda os políticos. Isso, porém, seria ler mal o acto de McCain. Na verdade, o póquer, enquanto jogo de azar, simboliza bem a aventura em que Obama e os norte-americanos se querem meter. O póquer de Mccain não é um acto de distracção pessoal, mas o símbolo do que os americanos se preparam para fazer na Síria, como o fizerem em muitos outros lados de má memória. A criação de uma nova e terrível mesa de póquer.