sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Transparências

A minha crónica semanal no Jornal Torrejano.

Sempre me inquietaram as notícias sobre os desenvolvimentos científicos que, a coberto de algum bem para a saúde, anunciavam uma cada vez mais próxima capacidade para ler aquilo que se oculta no nosso cérebro e, assim, tornar a consciência transparente aos outros. Todos temos, na verdade, pensamentos inconfessáveis ou, pelo menos, pensamentos que não gostaríamos de partilhar com certas pessoas. Se a nossa consciência se tornasse transparente, a vida tornar-se-ia um verdadeiro inferno. Talvez não fosse mesmo possível viver. Esta minha inquietação estava ligada, no entanto, a possibilidades relativamente remotas.

Descobre-se, com as revelações de Snowden, que afinal essa transparência já existe. Que qualquer um, por mais irrelevante que seja a sua posição e as suas ambições, pode ser escutado e espiado. Na verdade, vivemos num estranho palácio de cristal. Tornámo-nos absolutamente transparentes a poderes que não controlamos ou sequer suspeitamos que existem, a poderes que vivem fora do palácio, cujas paredes, para quem está dentro dele, são opacas. A combinação de um encontro amoroso, a marcação de um jantar de negócios, um fim-de-semana inocente e discreto tornaram-se, com as novas possibilidades tecnológicas, assunto que interessa às potências mundiais e que elas, como se pode ver pelo caso dos EUA e das suas agências de informação, coleccionam com a avidez do voyeur. E se os EUA o fazem, por que motivo hei-de pensar que outras potências, mesmo bem mais pequenas, não o farão?

Nós vivemos não numa sociedade transparente, mas numa sociedade em que nos tornámos todos transparentes para o poder. O que significa isto? Significa que estamos vigiados muito para além daquilo que a lei permite. Qualquer um é espiado na sua intimidade, nos pensamentos mais secretos que só reparte com determinada pessoa, nos desejos, mais inocentes ou mais obscenos, que quer apenas partilhar com alguém muito especial. Snowden, com a sua denúncia, tornou claro aquilo que poderia ser um cenário de ficção científica. No século XXI, os homens perderam a opacidade que protegia a sua consciência e a forma com que, através de uma máscara, compunham a sua personagem social. Para o poder, o cidadão deixou de ter uma consciência inviolável.


Haverá possibilidade de nos furtarmos a tal vigilância? Claro que há, desde que não se use email, internet, telemóvel, telefone, carro, desde que não se passeie por sítios vídeo-vigiados, desde que… não se saia de casa, ia eu a dizer, mas mesmo aí a vigilância é possível. A única maneira de não sermos vigiados, de deixarmos de ser transparentes, é pura e simplesmente deixar de respirar.