domingo, 22 de dezembro de 2013

Da felicidade

Eugène Carrière - Meditação (1900)

Nos tempos de Verão, a floresta arde, assustando homens e animais. No Inverno, as chuvas engrossam os rios, e estes, caudalosos e descuidados, saltam margens e desfazem fronteiras. A Primavera traz a vida e o Outono, colheitas. Durante muito tempo meditei na felicidade que a natureza oferecia. Há horas em que se exulta com os dons da Terra. Noutras, o luto e o perigo rondam casas e famílias. Assim descobri a ordem do mundo. A natureza dá e tira com justiça e equidade. Fora disto, não há como ser feliz.