domingo, 16 de fevereiro de 2014

Leituras poéticas - Eduardo Bento - "Perdura a memória"

Fotografia de Margarida Trindade

Perdura a memória
revestida de pó
a desfazer-se
como corre o Letes sem nascente e sem foz.
Ali
é onde o olhar se prende
onde gestos e vozes
se apagam lentamente
e o palpitar do peito
resiste às cinzas e ao vento.

                                           (Eduardo Bento, A casa já não abriga vozes, 2011, p. 41)

Este poema pertence a um livro feito a duas mãos. Combina poesia e fotografia. De todas as combinações possíveis essa é a menos espúria, pois que outra coisa é a fotografia senão uma metáfora que encontra a sua irmã na metáfora poética? A poesia é de Eduardo Bento e as fotografias de Margarida Trindade. A conjunção de ambas deu origem a um belo objecto estético que dá pelo nome de A casa já não abriga vozes. Mas concentremos a atenção apenas no poema em epígrafe, que pode ser uma chave de leitura para o jogo que no livro poesia e fotografia vão entretecendo.

A comparação indiciada pela conjunção como no início do quarto verso (como corre o Letes sem nascente e sem foz) introduz um inusitado estranhamento. Este pode ser pensado como o dinamismo propulsor de todo o poema. O que é dito do Letes? Que corre sem nascente e sem foz, isto é, sem princípio e sem fim. O como estabelece, então, uma analogia entre a memória e o rio Letes. Pela analogia, também a memória não tem principio nem fim. Apesar de revestida de pó a desfazer-se, ela perdura e, pela analogia estabelecida, podemos dizer que a memória perdura na sua infinitude. A analogia liga dois infinitos. Então se a memória e o Letes coincidem na sua infinitude, como justificar que a analogia introduza um estranhamento propulsor do poema? Que estranhamento será este fundado numa analogia, essa estratégia que visa compreender o familiar naquilo que parece estranho?

O estranhamento deriva do facto do rio Letes ser o rio do esquecimento, provém da composição analógica fundada não numa semelhança, mas na oposição entre memória e esquecimento. O que aproxima estes dois elementos é aquilo que os afasta. Uma escavação arqueológica na matéria desta analogia não deixa de revelar uma densa presença da filosofia ocidental. Num primeiro momento, o leitor é reenviado para a coincidentia oppositorum (coincidência de opostos) de Nicolau de Cusa. Na sua infinitude, a memória e o esquecimento, apesar de opostos, coincidem. Depois, a referência ao rio Letes traz a inevitável presença da concepção platónica de verdade (αλήθεια - alétheia). Em Platão a verdade é alétheia, a negação do esquecimento, é memória, recordação, anamnese. A analogia introduz, dessa forma, dois focos tensionais, geradores de energia poética: a memória e o esquecimento, a verdade e a não verdade.

A partir deste núcleo dinâmico o poema vai centrar-se na revelação da natureza da própria vida. Isso é feito através da mediação do quinto verso. Este resume-se a um advérbio: Ali. Ali, sim, mas onde? Na casa que a fotografia mostra? Sim e não. A casa que a fotografia de Margarida Trindade revela não é uma casa, mas o locus onde se dá a tensão entre memória e esquecimento, entre verdade e não verdade. Aquela casa é o infinito onde estes pares de opostos coincidem. Ali a vida ganha sentido - diria antes, a vida luta pelo seu sentido. Como?

De novo pela coincidência dos opostos: Ali / é onde o olhar se prende /(...) / e o palpitar do peito / resiste às cinzas e ao vento. A vida afirma-se, na sua potência, na acção do olhar, no palpitar do peito que resiste às cinzas e ao vento. Mas Ali / (é) onde gestos e vozes / se apagam lentamente e se tornam cinzas e vento. Ali é o lugar onde a morte se inscreve na impotência da vida. Morte e vida coincidem ali. Nesta coincidência, a vida ganha todo o seu sentido como jogo entre a potência do olhar e da resistência e a impotência do apagamento e redução a cinzas. Ganha sentido na hábil administração do memorável e do esquecível. Ganha sentido na luta entre a verdade e a não-verdade, que não é outra senão a luta pela persistência infinita da memória perante a infinita ameaça do esquecimento.