sexta-feira, 16 de maio de 2014

Vender a alma ao diabo


Não há estatuto social mais equívoco que o da classe média. Emergindo do fundo da sociedade, a sua posição dá-lhe a ilusória certeza de que está mais perto das classes altas do que dos baixios sociais de onde proveio. Logo na primeira geração, tende a traçar uma fronteira intransponível com o mundo de onde partiu. Isso reflecte-se na orientação eleitoral. Pacheco Pereira deu uma particular atenção ao fenómeno, sublinhando as transferências de votos do PCP para o PSD, nos tempos de Cavaco Silva.

As pessoas pertencentes à classe média – antiga ou nova – desconhecem, porém, que a sua posição social é a mais precária de todas. Resulta, nas sociedades contemporâneas, de uma concessão. Na Europa, esse estatuto cresceu devido ao medo do comunismo. A criação de amplos estratos médios foi uma estratégia de aliciamento das pessoas. Uma espécie de compra de consciências para que, falhando o ardil da religião, a tentação revolucionária não conduzisse largas massas a aceitar a retórica comunista e os ideais igualitários. Agora que o perigo vermelho morreu, as classes médias são um estorvo. Ganham demasiado e concentram em si dinheiro muito desejado por aqueles que em tempos as fomentaram.

Uma das fontes de fabricação de classe média foi, tradicionalmente, a universidade. Durante muitos anos, o ensino superior representou uma linha de demarcação social importante. O estatuto social de advogados, médicos, engenheiros, arquitectos, até de professores de liceu separava-os dessa linha terrível abaixo da qual o status é se não pouco recomendável, pelo menos olhado com desdém. Esse estatuto, porém, era uma ficção. Os portugueses estão a descobrir isso. O saber está longe de ser um poder. Hoje muitos engenheiros, professores, arquitectos, advogados – amanhã serão os médicos -, etc. têm como horizonte o salário mínimo, por vezes menos. Não só porque, intencionalmente, foram fabricados mais licenciados do que o necessário, mas também porque o declínio das classes médias é muito mais irrevogável que a palavra de Paulo Portas.

Nas próximas eleições europeias, iremos encontrar uma resposta a esta decadência da classe média. Não em Portugal, pois tudo chega aqui com alguns anos de atraso, mas por essa Europa fora. O ressentimento das classes médias em vias de proletarização vai fazer crescer exponencialmente a extrema-direita. Em desespero, com os laços cortados com a antiga condição social e com os partidos de esquerda que as ajudaram a chegar ao seu estatuto, as classes médias europeias preparam-se para, mais uma vez, vender a alma ao diabo.