sexta-feira, 25 de julho de 2014

O problema da banca


Quando em 1975, na sequência dos acontecimentos do 11 de Março, a banca portuguesa foi nacionalizada, não se estava apenas perante uma opção ideológica que pretendia tornar Portugal um país socialista. A motivação principal residiu em razões que hoje em dia não são trazidas à discussão pública. Essas razões, bem vivas na época, prendiam-se com a possibilidade ou não de instaurar e consolidar uma democracia política no país. A banca era de tal modo poderosa, controlava de tal maneira a economia portuguesa, que a questão do regime democrático dependia da cooperação dos sectores financeiros, que eram, na verdade, pouco cooperantes. A nacionalização da banca visou controlar a economia, para que a democracia política se tornasse possível. O devaneio da sociedade socialista veio por acréscimo.

Depois, estando a democracia política consolidada, começou a abertura da banca à iniciativa privada e a privatização dos bancos nacionalizados. Os banqueiros privados emergiram então como uma espécie de novos heróis. O BCP de Jardim Gonçalves era incensado pelos media e, daí para a frente, a banca, sem grandes dispositivos de controlo público, tomou conta do país. E o país em que vivemos hoje em dia, o país da crise profunda e da pobreza em crescimento, é o país que os nossos banqueiros fizeram  e impuseram. As crises, diferentes caso a caso, que têm vindo a afectar a banca – algumas dessas crises são verdadeiros casos de polícia, investigados ou não –, vieram tornar claro que um dos grandes problemas de Portugal reside na avidez desmesurada dos seus banqueiros. A banca nunca se interessou por Portugal, mas apenas e só pelos seus negócios. O pior foi que os políticos do arco da governação ficaram seduzidos pelo charme do dinheiro e esqueceram-se de controlar o monstro.

Com um poder político subjugado, a banca portuguesa tornou o Estado – por exemplo, através das chamadas parcerias público-privadas – seu refém. O resultado tornou-se claro a partir de 2011. Estamos todos a ser obrigados a pagar os desvarios dos governos seduzidos pelo encanto dos banqueiros. Talvez hoje em dia, a banca não se oponha à democracia e não haja necessidade da sua nacionalização, talvez. Mas se queremos construir uma sociedade minimamente decente, então precisamos de alguém que, no poder, em vez de se deixar seduzir pela força do dinheiro, decida controlar rigorosamente a actividade bancária e limitar drasticamente o poder dos banqueiros. Caso contrário, os portugueses serão cada vez mais pobres e impotentes, e o país caminhará para um tipo de vida muito semelhante ao das plutocracias africanas.