sexta-feira, 12 de setembro de 2014

A razão e o desejo


Uma estimativa da população portuguesa para 2060 (faltam cerca de 45 anos) prevê que sejamos, nessa altura, seis milhões. Isto é, os dados apontam para que nos próximos 45 anos Portugal perca 40% da sua população, para além de um acentuado aumento da população idosa. Uma das formas de mascarar o verdadeiro cerne do problema reside na recorrente lamentação de que os políticos não criam condições para as pessoas terem filhos. Apesar de haver alguma verdade na afirmação, e de não existirem políticas eficazes de apoio às famílias, o problema encontra-se noutro lado.

Pode-se parafrasear Kant e dizer que a natureza teria andado muito mal se tivesse confiado à razão humana a propagação da espécie. Até há algumas décadas, a propagação da vida humana estava fundada não na escolha e decisão racional dos indivíduos, mas no desejo cego presente no impulso sexual. Desejo esse que sempre se mostrou eficaz para assegurar a continuidade da espécie humana. A descoberta da pílula permitiu a construção de dispositivos eficazes de planeamento  familiar. O que significa isto? Significa que a propagação da espécie foi retirada do âmbito do desejo sexual e colocada sob uma decisão aparentemente racional dos indivíduos. Paulatinamente, as pessoas deixam de ter filhos porque optam por não tê-los. A geração de novos seres passou a depender da razão calculadora dos progenitores, que podem separar o prazer sexual da reprodução.

A introdução da razão no processo de procriação acabou por ter efeitos – se medidos pelo interesse racional dos indivíduos – contraditórios. As pessoas alegam não ter filhos por falta de condições para tal. Agem segundo o seu interesse particular. Mas há consequências destas decisões. A diminuição da população, devido ao planeamento racional dos nascimentos, acaba por ir contra os interesses futuros dos indivíduos, pois deixa de haver quem lhes possa assegurar uma velhice com um módico de dignidade. A introdução do planeamento familiar veio resolver importantes problemas sociais. A verdade, porém, é que criou outros, porventura bem mais graves.

O assunto é ainda mais crítico pois a razão que criou o problema parece impotente para o resolver. Os portugueses vão desaparecendo não porque um epidemia os leva, uma guerra de extermínio se abate sobre eles ou uma catástrofe natural os dizima. Vão desaparecer porque – como outros povos ocidentais – confiaram à razão aquilo – a propagação da vida – que sempre foi da jurisdição do cego desejo sexual. Tudo tem um preço.