segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Uma folha cansada

Berthe Morisot - The Cherry Tree (1893)

São focas em combate as nuvens que vejo pelos céus. Correm, saltam, estilhaçam-se sob o império do vento. Pássaros inquietos voam na largura do horizonte, procuram os telhados onde fizeram ninho, aves citadinas habituadas ao rumor trânsito, ao fumo dos escapes. Temem o silêncio dos campos, o pó da terra, o excesso de erva pelo chão. Focas e pássaros lutam, agora, pelo domínio dos ares, enquanto o sol declina e as gentes se perdem nas ruas a caminho da melancolia da noite. Num pequeno quintal, uma cerejeira abre os ramos, dedos estendidos ao que neles poisa. De súbito, um pequeno tremor. Um pássaro que poisa? Uma cereja que cai? Não, apenas uma folha cansada que no chão adormece. (averomundo, 2008/05/23, revisto)