sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

A sombra de Salazar


A grandeza política do professor Salazar não se mede pelas suas políticas, mas pela sombra que projectou e que continua a assediar a vida nacional, mesmo em sítios inesperados. A mais persistente ilusão nacional é aquela que deriva da ideia de união nacional. Como se sabe, a revolução do 28 de Maio e a posterior ascensão ao poder de Oliveira Salazar assentaram na eliminação dos partidos políticos e na construção de uma suposta união agregadora de todos os homens de boa vontade, isto é, de todos os interesses que se reviam na nova situação. Supunha-se que a unidade nacional não suportaria a divergência, o conflito de opiniões e de interesses, a alternativa política. Supunha-se também que não haveria interesses divergentes e que todos perseguiam o bem comum, cada um no seu lugar social.

É evidente que este delírio do Estado Novo só pôde ser mantido com a cumplicidade das Forças Armadas, a função castradora da censura e a perseguição dos dissidentes por uma polícia política implacável. Assim que as Forças Armadas abandonaram o regime, este caiu sem que ninguém mexesse um dedo para o defender. A ficção da unidade nacional, contudo, projectou-se pelo regime democrático adentro sob a tenebrosa figura do bloco central. Cavaco Silva parece obcecado com a ideia de um entendimento entre partidos, e agora, são alguns socialistas, com Francisco Assis à cabeça, que arrancam os cabelos por António Costa ter dito que não faria coligações com este PSD. Mas, suspeita-se, o próprio António Costa poderá cair nos braços de Rui Rio, se este liderar o PSD, para assim formarem uma nova união nacional.

Uma vida política saudável não precisa de uniões nacionais. O consenso fundamental está no respeito pelas instituições e pela constituição. Necessita-se de regras muito firmes sobre a transparência das decisões e de projectos políticos verdadeiramente alternativos, que os cidadãos possam escolher. A ideia de união nacional é perigosa por dois motivos. Assenta numa percepção falsa da realidade. Uma percepção que diz que só há um caminho para resolver os problemas, o que além de falso é anulador da democracia. Em segundo lugar, essa ideia de unidade nacional – de bloco central – é a capa para todo o tipo de arbitrariedade e de corrupção, é a porta da nossa presente miséria. Se uma bloco central tácito, como tem existido nos últimos anos, conduziu o país ao lugar onde está, o que acontecerá se ele se tornar efectivo e governar? A sombra do professor Salazar continua a assediar os portugueses e com ela a miséria a que ele nos habituou e fez desejar, como se fosse uma virtude.