sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

A justa medida


Contrariamente ao prognóstico que aqui fiz há três semanas, o Syriza ganhou as eleições gregas. Contudo a minha leitura da realidade política, feita na semana passada a propósito do apoio da direita radical francesa ao Syriza, recebeu uma significativa confirmação. O Syriza coligou-se com um partido da direita radical. De facto, vivemos novos tempos e a velha divisão direita – esquerda já não é suficiente, embora ainda seja necessária, para explicar a vida política em que estamos mergulhados.

Exige-se dos políticos abertura de espírito e capacidade acrescida para evitar uma catástrofe. Há que evitar tentações extremas e abrir um caminho frutuoso para que a Grécia, e os países que foram atirados para resgate, possam encontrar uma senda de esperança. A principal tentação da União Europeia, dirigida pela direita liberal, poderá ser a de usar a Grécia como vacina. Torná-la um exemplo de como é catastrófico escolher lideranças radicais. Contudo, as consequências dessa estratégia estão longe de ser claras. Um falhanço do novo governo, devido às imposições extremadas da União Europeia e do FMI, pode conduzir não ao retorno a um governo centrista e subserviente à senhora Merkel mas a algo bem mais desagradável. Uma guerra civil é um cenário que pode estar longe de ser delirante. E a Grécia está situada numa zona demasiado sensível para se poder brincar às experiências, embora experiências idiotas, por parte da União Europeia, se tenham visto na Ucrânia e na Síria.

O sensato seria encontrar caminhos de compromisso sem que ambas as partes perdessem a face. Esta pode – sublinho pode – ser uma oportunidade para a Grécia cortar com um conjunto de vícios ligados à corrupção e à relação enviesada e muitas vezes oportunista dos cidadãos com o Estado. Pode também ser uma ocasião para a União Europeia corrigir os erros políticos colossais que cometeu, com a cumplicidade dos governos nacionais, na gestão do problema das dívidas soberanas dos países do sul da Europa. Este será o melhor cenário, mas não sei se a frivolidade, a ignorância, os interesses instalados não nos encaminharão para um buraco negro, do qual nada sabemos. Nos tempos complexos e obscuros em que vivemos, em sociedades marcadas pela imprevisibilidade e pela fluidez, no momento em que as categorias políticas tradicionais se encontram em farrapos, é aconselhável assumir a virtude socrática da douta ignorância. Há que reconhecer que do futuro nada sabemos e que o mais sensato é procurar o compromisso e a justa medida. Coisa que a antiga Grécia ensinou mas que a nova Europa ainda não aprendeu.