quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

É sempre pior

Julião Sarmento - Baixastral (1982)

Não sei se foi um artigo no Jornal Torrejano ou um post num blog que mereceu uma reacção de um leitor acusando-me de pura animosidade contra Cavaco Silva. Isto foi já há muitos anos. Talvez esse leitor tenha razão. Nunca consegui ver qualquer grandeza no que diz ou faz Cavaco Silva. E isto não se deve ao seu posicionamento ideológico. Há pessoas de direita, com as quais não estou de acordo em pontos essenciais, mas a quem reconheço grandeza. Há pessoas de esquerda, com as quais posso estar de acordo, e que não me merecem qualquer consideração. Cavaco Silva, porém, é o tipo de político que consegue sempre surpreender-me. Consegue ser sempre mais banal do que a banalidade que lhe atribuo. Eu percebo que a direita europeia ande um pouco perdida com a história da Grécia. Nós, portugueses, somos dos que têm muito a ganhar se o actual governo grego conseguir o milagre de pôr fim à estúpida e criminosa política que lhe é imposta. Mas o que tem a dizer o Presidente da República? Perora sobre o dinheiro que Portugal emprestou à Grécia, fala como um taxista exaltado devido à malandragem que anda por aí. Cavaco Silva consegue sempre surpreender-me, repito. É sempre pior, muito pior, do que eu o imagino, e eu imagino-o já e sempre bastante mau.