quarta-feira, 27 de maio de 2015

A algazarra geral

Julia Hidalgo Quejo - Silêncio (1989)

Uma das características centrais dos nossos tempos é a ausência de silêncio. Por todo o lado há um ruído de fundo que nos cerca e que impõe o seu império. Este ruído é global e, como uma espécie de estado totalitário, cerca-nos, como se não fosse possível fugir de tão terrível potestade. Desde a televisão ao rumor dos carros por ruas e avenidas, passando pela omnipresença da música – a mais insidiosa forma de poluição sonora – a vida contemporânea eliminou, como se tratasse de uma terrível doença contagiosa, o silêncio. A algazarra geral a que a espécie se entrega é a outra face da moeda da mobilização própria aos tempos modernos. Acção desenfreada e ruído sem fim são o corolário da ideia de que os homens devem estar constantemente mobilizados, prontos a agir, a trabalhar, a militar, a fazer, a produzir, a reconstruir o mundo de alto abaixo. Os homens podem tornar-se até mais ricos, possuir mais bens materiais, ostentar o triunfo sobre as forças da natureza, mas, ao perder o silêncio, eles alienam a sua condição humana, aquela condição que necessita do equilíbrio entre o agir e o contemplar, entre o som e o silêncio.