quarta-feira, 12 de agosto de 2015

A deslimitação geral

Alberto Magnelli - Limits ordenats (1937)

São múltiplas as denominações que se atribuem aos nossos dias, todas elas destacando um dos traços que compõem a figura difusa sob a qual este tempo histórico insiste em apresentar-se. Não seria errado, tendo em conta a crescente lista de denominações, dizer que a nossa época é uma era da deslimitação. Inerente aos nossos dias é a perda de contornos em todas as áreas da existência. Desde o afrouxar da diferença entre o masculino e o feminino até à actual porosidade das fronteiras políticas, os nossos dias são um processo contínuo de desclassificação, desordenamento e destruição de limites. Fica por decidir, porém, se essa deslimitação é um processo de reconfiguração de novos limites ou se é o início - talvez a continuação - de um processo geral de contínua destruição de todos os limites, de uma gaseificação (mais até do que uma liquefacção, de que fala Zygmunt Bauman) geral da existência dos homens, de uma completa perda de contornos, de uma deslimitação generalizada.