sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Os olhos de Antígona

Frederic Leighton - Antígona

Talvez com as excepções de ter começado a andar aos 10 meses e de me ter iniciado também cedo no uso perceptível da linguagem, nunca fui precoce no que quer que seja. Pelo contrário, em mim as colheitas são tardias e os frutos, por norma, nunca são temporãos. É preciso ter isto em conta para considerar a minha afirmação de que li cedo o Édipo Rei e a Antígona, ambas as obras tragédias de Sófocles. Li-as cedo, mas não com a precocidade dos génios. Li-as na velha edição dos livros RTP, o que não deixa de indicar alguma coisa sobre o país em que vivia, e sobre mim exerceram um continuado e nunca extinto fascínio. Mais do que Édipo, a figura da sua filha Antígona, resultado da incestuosa relação com Jocasta, constituiu-se numa referência fundamental.

Polinices e Eteócles, irmãos de Antígona, batem-se até à morte pelo trono deixado vago pela expulsão de Édipo. Creonte, tio de todos eles, é o novo rei e decreta cerimónias fúnebres para Eteócles e o abandono, ao ar livre e à voracidade das feras, do corpo de Polinices, tomado como traidor à cidade de Tebas. Contrariar esta decisão equivaleria incorrer na pena de morte. Não é o gesto de piedade de Antígona – a sua tentativa de dar sepultura a Polinices – que me marcou, mas o desafio ao poder, o desafio à ordem de Creonte. O trágico destino de Antígona mostrou-me, muito cedo, o lado obscuro do poder, aquilo a que eu chamaria a natureza creôntica do poder político, uma mistura de razão de Estado e de irracionalidade. Não é que isso tenha, alguma vez, feito de mim um anarquista, mas sempre que olho para o poder, aquilo que em mim olha de imediato são os olhos de Antígona, que nunca mais deixaram de estar abertos no fundo da minha alma, e aos quais devo a libertação de certas miragens e de alguns enviesamentos ópticos.