sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Derrotas adiadas

Anthony van Dyck - Portrait of Charles I of England (1635-40)

A observação persistente da vida democrática permitiu-me descobrir uma coisa que, porventura, já terá ocorrido a muita gente. Em política não há vitórias, mas apenas derrotas adiadas. Tarde ou cedo os vencedores de um dia serão os derrotados do outro; e caso não o sejam em campanha eleitoral, serão as suas ideias que, numa dada hora pareciam tão irrevogáveis, se perderão sob o brilho de outras. A democracia – todos regimes políticos, em última análise – é um produtor de derrotados. O talento de um político reside na sua capacidade de adiar o momento em que a sua derrota, ou a das suas ideias, se torne manifesta.


O adiar da derrota decisiva é uma estratégia complexa que passa pela a atenção a duas coisas. Em primeiro lugar, uma atenção ampla à realidade sobre a qual se governa. Esta atenção deve ser exaustiva, diria mesmo obsessiva. O governante é como o pastor que tem de dar conta de todas as ovelhas (o chamado poder do pastorado, na conceptualidade de Foucault). Assim que começa a desprezar a realidade, a derrota começa a desenhar-se. Em segundo lugar, uma atenção, não menos profunda, a si mesmo. Não é apenas a negação da realidade que é perigosa. Também a incapacidade de suster o narcisismo e a desmedida são mortais para o político. Na verdade, toda a vida política é uma luta contra si mesmo, uma negação dos seus impulsos mais fundos, aqueles mesmo que conduzem o político para a acção política.