quinta-feira, 3 de março de 2016

Um acto de compensação

A minha crónica quinzenal no Jornal Torrejano.

Tornou-se, nos últimos tempos, alvo de chacota pública o afã com que o Presidente da República (PR) distribui condecorações. Uma condecoração é sempre o reconhecimento público de um mérito. Não vou discutir a virtude daqueles que foram contemplados pela enxurrada de medalhas que brotou em Belém. Mais interessante que isso é compreender a mensagem subliminar que o actual PR – ou o seu inconsciente – nos está a enviar.

A generosidade com que reconhece, através da condecoração, inúmeros membros da sociedade portuguesa é o sintoma do desejo que nele habita de, ao sair da presidência, ser reconhecido e amado pelos portugueses. A situação política de Cavaco Silva é desastrosa. O político mais vitorioso, que mais poder teve para conformar os destinos do país, sai de Belém execrado à esquerda, olhado com condescendência à direita, completamente isolado.

Poderíamos dizer que a realidade política e a malevolência humana destrataram Cavaco Silva. Faltaríamos, porém, à verdade. Cavaco Silva está a colher o que semeou em toda a sua longa e vitoriosa vida política. A semente foi a falsa máscara que criou. Explorando a animosidade dos portugueses perante as elites políticas, sempre fez questão de sublinhar que ele não era um político, que não se confundia com os outros, que a sua palavra era o voz da ciência e do saber e não a dos interesses em conflito. Esta mentira funciona enquanto há muito dinheiro para distribuir.

Cavaco sente que o país deseja que ele se vá rapidamente. Esta sensação de abandono é intensificada por uma humilhação política impensável em final de carreira. Não apenas teve de dar poder a um governo que ele não queria e a que se opôs para além do razoável, como esse governo é apoiado por aqueles que ele declarou como párias da democracia portuguesa. O que resta a um PR que acaba derrotado em tudo o que é essencial? Distribuir condecorações a eito, como se assim dissesse aos portugueses que ele – ele acima de todos os outros – merece o que agora não lhe dão. Um acto de compensação, uma súplica de reconhecimento.