sábado, 12 de novembro de 2016

Dilemas à esquerda e à direita

Domenico Beccafumi - L'amor di Patria (1832-35)

Voltemos à eleição de Donald Trump. Se o futuro presidente dos EUA mantiver o programa que a retórica eleitoral deixou transparecer, então tanto a esquerda como a direita europeias – abstenho-me aqui da situação americana – estão confrontadas com dilemas que estão longe de as deixar confortáveis. Veja-se a esquerda. É verdade que o programa de Trump ligado às questões dos costumes, da imigração e do clima contrariam as bandeiras dessa esquerda, mas há toda uma outra dimensão programática, desde o papel das obras públicas até ao fim dos acordos internacionais de comércio, que essa esquerda advoga desde há muito. Não foi por acaso que Bernie Sanders, o ídolo americano da esquerda europeia, veio dizer que nesses aspectos está disponível para cooperar com Donald Trump. Na verdade, a esquerda não sabe muito bem o que fazer perante este dilema. Julgo que muita gente na esquerda (e não me estou a referir ao eleitor comum), embora não o diga por pudor e cálculo, prefira Trump a Clinton.

A direita europeia – e talvez ainda mais a portuguesa por razões idiossincráticas – não está numa situação melhor que a da esquerda. Trump é claramente alguém que pertence à família das direitas. No entanto, estas há muito que navegam nas águas da globalização e do liberalismo mais estrito. Essa orientação está agora ameaçada e a ameaça vem de onde menos se esperava. A direita vai começar a sofrer o confronto com duas pulsões que vivem nela. Por um lado, a pulsão liberal, a da abertura dos mercados, da liquidação de quaisquer direitos laborais e do próprio Estado social, pulsão que, em alguns aspectos, a afasta de Trump. Por outro, a velha pulsão autoritária, que tão bem casa com a tonalidade política de Trump, vem acender nela uma certa nostalgia pelas suas velhas raízes. Muita gente teme a senhora Le Pen e direita radical europeia. Talvez isso seja um equívoco. Talvez a própria direita europeia tradicional se converta a uma visão mais autoritária e nacionalista. Em Portugal, a vitória de Trump liquidou Passos Coelho, o arauto paroquial, por cálculo político, do neoliberalismo e do ordoliberalismo. O próximo líder do PSD será mais sisudo, mais adepto da autoridade, menos liberal e mais nacionalista.