segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

As novas eras

Paul Delvaux - A idade de ferro (1951)

A cada seis meses é proclamada a entrada numa nova era, a ruptura com o que aconteceu até aí, o anúncio de que nada será como antes. Isto mostra não apenas a impaciência profunda que tomou conta dos fazedores de opinião como o tédio que se apoderou de uma massa informe da população educada pela televisão. A vida e as suas metamorfoses são entendidas num misto de telenovela e de reality show, na qual os consumidores – é esta de facto a designação que se deve dar à população de hoje – exigem continuamente novidades. Sublinhe-se que estas novas eras semestrais, digamos assim, não nascem nem de um espírito profético nem, tão pouco, apocalíptico. Têm a sua origem no culto do entretenimento que a tudo domina e naquela ignorância estrutural que impede a compreensão daquele versículo do Eclesiastes (1:9) que diz: O que foi, isso é o que há de ser; e o que se fez, isso se fará; de modo que nada há de novo debaixo do sol.