domingo, 26 de março de 2017

Domingos de chuva

Daniel González Ruiz - Paisaje de Montmartre con lluvia

Domingos como o de hoje – cinzentos, frios e com chuva – não deixam de ser luminosos. Se nos for permitido antropomorfizar o estado do tempo, dir-se-á que estes domingos são o exercício de um cepticismo moderado. Não entoam loas ao esplendor do sol, às grandes festividades do bom tempo, mas também não brandem, com mãos poderosas e razão céptica, um temporal negador de qualquer vontade de viver. Moderam os entusiasmos com o que tem demasiado brilho e espalham uma suave nostalgia não destituída de uma leve esperança. Trazem uma luz sobre a condição dos homens, uma luz não destituída de melancolia, que lhes permite perceber que o mundo não é o paraíso, mas também não tem de ser o inferno.