segunda-feira, 10 de abril de 2017

Alma Pátria - 24: Alfredo Marceneiro - Amor de Mãe



Um nome grande do fado, Alfredo Marceneiro. Quando comecei a dar alguma atenção ao fado, coisa que não sendo recente também não é muito antiga, a voz de Marceneiro foi uma das que mais me chamou a atenção. Reconheci que não era por acaso nem injusta a sua fama. Aqui não é o lugar para contar a história dos artistas seleccionados, nem o blogger tem competência para o fazer (pode ver aqui uma biografia do grande Marceneiro). Não identifiquei o autor – talvez seja um poema de origem popular, o que o torna, como sintoma, mais interessantes – mas a letra deste fado é uma nova e exuberante lição de sociologia pátria. "Há vários amores na vida / Lindos como o amor perfeito / Belos como a Vénus querida / De tantos que a vida tem / Só um adoro e respeito / É o santo amor de mãe". Diz tudo do que se pensa do amor, das mulheres e mostra que, apesar do afadistamento geral que tocou, pelo menos em tempos, os homens portugueses, há um inextricável e irresolúvel complexo de Édipo. Isto ajudará a explicar a menoridade, essa dependência do seio materno, onde os portugueses gostam de se resguardar para não enfrentar o sério e difícil na vida. Elucidativo.