sexta-feira, 12 de maio de 2017

Ideologia

Margareth Bourke-White - Kentucky Flood, February 1937

A fotografia de Margareth Bourke-White vale por um tratado sobre ideologia. Torna patente, numa cena quotidiana, a contradição entre o mundo das ideias, dado no cartaz publicitário, e a realidade, entre a felicidade oferecida pelo modo de vida americano e a desventura de quem está na fila da sopa dos pobres. Contudo, a crueldade da fotografia vai mais longe. Não se limita a desconstruir a ideologia do american way of life, torna patente os fundamentos racistas em que ela se fundamenta, como se a felicidade dos brancos estivesse intimamente dependente do sacrifício dos negros. Pode-se, porém, ir mais longe e ver esta fotografia exemplificando não apenas a ideologia do american way of life mas toda e qualquer ideologia. A ideologia, seja ela qual for, seria então a operação pela qual se oculta que a felicidade de uns assenta na transformação de outros em vítimas sacrificiais. Dito de forma mais radical: a ideologia é processo pelo qual se oculta a prática contínua de sacrifícios humanos.