quinta-feira, 11 de maio de 2017

Sonhos que andam

Imogen Cunningham - Dream Walking (1968)

Esta fotografia de Imogen Cunningham data de 1968. Não sei se ela foi um retrato deliberado da época ou se, por uma motivação oculta à consciência, a fotógrafa norte-americana retratou o espírito do tempo. Naqueles dias, julgou-se, que os sonhos podiam caminhar, inocentes, pela floresta da vida. Agora que o ano de 1968 se aproxima perigosamente do quinquagésimo aniversário sabemos bem onde nos levaram aqueles sonhos e o destino dos sonhadores. É o peso de vivermos na posteridade dos acontecimentos. Uma coisa foi confirmada. A vida é uma floresta. Contrariamente, ao que os sonhadores da época ostensivamente queriam fazer acreditar, essa floresta não era o habitat próprio da inocência. Na verdade, em todas as florestas existem lobos maus à espera de capuchinhos vermelhos. E nos acontecimentos desse longínquo ano de 1968 havia muitos capuchinhos vermelhos mas também um número razoável de lobos maus, como a velha história infantil desde há muito ensinava.