quarta-feira, 26 de julho de 2017

Diálogos aporéticos (04) - Ir à praia

Pablo Picasso - Hombre y mujer en la playa (1956)

- Vamos para a praia.
- Tem de ser? Agora?
- Não gostas de praia?
- Gosto. Gosto muito, mesmo.
- Vamos, então?
- Logo hoje.
- Por que não? O dia está excelente.
- Pois, pois está, mas…
- Tens alguma coisa contra os dias excelentes?
- Não, não. Não há nada como os dias excelentes. Fazem-me feliz os dias excelentes.
- Então, vamos para a praia.
- Mas não será melhor esperar que os dias fiquem ainda mais excelentes?
- Não podes dizer que não queres ir?
- É uma pergunta?
- Uma pergunta?
- Bem me parecia que não.
- Por que razão não dizes a verdade? Confessa que não gostas de praia.
- Mas eu adoro praia. Não há coisa que mais goste.
- …
- É óptima a praia, mas…
- Mas o quê? As pessoas incomodam-te, já sei.
- Vamos começar com as recriminações? Volta a acusação de misantropo?
- Passaste a adorar as pessoas...
- Bem, não ajudam muito, mas mesmo assim…
- Mesmo assim, o que há mais?
- Eu adoro praia, como sabes, mas tem muita areia, sol que não acaba e água, muita água fria.