sábado, 16 de setembro de 2017

A dissonância comunista


Apesar de esperada, não deixa de ser curiosa a reacção do PCP à elevação do rating da dívida pública portuguesa pela agência Standard & Poor’s. Segundo o Público, Paulo Sá, dirigente comunista, afirmou que Portugal não pode depender "dos humores ou dos estados de espírito das agências e, muito menos, estar dependente dessas agências e das suas dinâmicas especulativas". Por que razão esta afirmação é curiosa? Porque o PCP é um dos responsáveis – juntamente com o PS e o BE – da actual política que tem recebido um forte apoio e reconhecimento das instâncias políticas e financeiras internacionais. O PCP, se quisesse, poderia deitar tudo a perder. Bastaria mobilizar em força o aparelho da sindical e cortar com os socialistas, afundando o governo. Por que não o faz, já que a política de António Costa depende efectivamente “dos humores ou dos estados de espírito das agências” e “das suas dinâmicas especulativas”? Por que razão não atendeu até aqui à imploração veemente da direita para que o faça?

Não o faz porque o PCP não é nem irresponsável nem aventureiro. Por detrás da sua retórica anticapitalista, os dirigentes do PCP sabem muito bem que o país depende das agências de rating, do FMI, do Banco Europeu, dos humores da União Europeia e do estado de espírito, embora não seja muito dada a isso, da senhora Merkel. Os dirigentes comunistas sabem perfeitamente que se se aplicasse aquilo que eles dizem defender (saída do Euro e da União), o país se afundaria numa triste Venezuela e nem os seus fiéis eleitores lhe perdoariam. Também sabem que fora da economia de mercado – isto é, do capitalismo – não há nada para onde o país possa ser conduzido. Porque sabem tudo isso têm colaborado na adequação do país às exigências do capitalismo, têm contribuído, inclusive, para amenizar essas exigências, tornando-as mais digeríveis pela população.

Por que razão há esta dissonância entre a prática dos comunistas e o seu discurso? A explicação mais plausível é a de que têm medo que o seu eleitorado tradicional se indisponha com o colaboracionismo do partido com o capitalismo e os velhos rivais do PS, sempre apostrofados como aliados da direita e apóstolos das políticas capitalistas. Contudo, isto é ter pouca consideração pelo seu próprio eleitorado. A generalidade dos eleitores comunistas é inteligente e percebe muito bem a situação em que vivemos. Sabe que não existem amanhãs que cantam, nem que sair da União Europeia seja uma coisa boa para o país. Sabem inclusive, embora não gostem (quem gosta?), que dependemos dessas agências e dessas instituições. As pessoas que votam comunista irão continuar a fazê-lo, apesar deste acordo com os socialistas e das políticas reconhecidos pelas instâncias do capitalismo global. Mais, julgo que a maioria dos eleitores comunistas deverá preferir que o seu partido influencie a governação – e, provavelmente, que governe – do que seja uma organização de mero protesto. E preferem isso não para os levar para o socialismo, mas para uma sociedade capitalista, que tenha uma maior justiça e seja socialmente mais equilibrada. Já era tempo do PCP se deixar destas rábulas e assumir o que está a fazer. O país agradecia.