quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Alma Pátria - 35: Eduardo Nascimento - O Vento Mudou



Há uma coisa que é verdade na ideologia do Estado Novo, a natureza multirracial do Portugal de então. Uma prova? A vitória, em 1967, de Eduardo Nascimento, angolano, no Festival RTP da canção e, consequentemente, a sua eleição para representar Portugal no Festival da Eurovisão. Uma aproximação cançonetista (seria melhor dizer, uma terminação, como na lotaria) do Eusébio do futebol. A guerra em Angola, que, se exceptuarmos o incidente indiano, deu o tiro de partida para as guerras coloniais dos anos sessenta e setenta do século passado, tinha começado há cerca de seis anos e faltavam ainda sete para terminar. Curiosamente, Eduardo Nascimento é o autor do hino do MPLA. Apesar dos ventos de mudança que a cançoneta apregoa, ainda faltava muito para que o vento mudasse definitivamente. Este vento apenas falava de delíquios do coração. E se havia coisa que o regime puritano e assexuado do professor Salazar gostava era de delíquios de coração. Enquanto o coração treme, rebola e rodopia, a razão descansa.