segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Alma Pátria - 42: Amália Rodrigues - Uma Casa Portuguesa



Não será Amália Rodrigues ainda hoje a alma da pátria? Até determinada altura da vida, detestava fado e Amália era-me indiferente. Hoje, gosto de fado e Amália é, para mim, o maior nome da música popular portuguesa. Inultrapassável. Há muitos fados de Amália mais interessantes do que Uma Casa Portuguesa. Mas esta rubrica é sobre a Alma Pátria, e não há nada que a Pátria goste mais do que da sua alegre casinha. E como é a casa da Pátria? No conforto pobrezinho do meu lar, / há fartura de carinho. /E a cortina da janela é o luar, / mais o sol que bate nela... / Basta pouco, poucochinho p'ra alegrar / uma existência singela... / É só amor, pão e vinho / e um caldo verde, verdinho / a fumegar na tigela.

Mesmo quando a casa é rica e cheia, ela é pobrezinha e plena de poucochinho. Está aqui tudo, não está?