terça-feira, 20 de março de 2018

No Limiar da Porta 2. Ardia-te nos olhos

Jean Dieuzaide, Nazaré, Portugal, 1954

2. Ardia-te nos olhos

Ardia-te nos olhos
uma ânsia
ávida de aurora.

Ardia-te na boca
a voz,
a voz velada do vento.