terça-feira, 27 de março de 2018

Um anacronismo


A recente prisão de Carles Puigdemont veio tornar ainda mais patente a incomodidade que a questão catalã coloca. A perseguição aos independentistas é legal. No entanto, nem tudo o que é legal é moral. A posição do governo espanhol, da justiça espanhola e do Rei de Espanha é imoral, isto independentemente do que se possa pensar de Puigdemont. E é imoral não porque a Catalunha tenha de ser independente, mas porque a constituição espanhola impede, através da violência legítima, que as diversas nacionalidades se possam exprimir livremente se querem ou não permanecer unidas a Madrid.

O mais provável é que se aos habitantes da Catalunha fosse permitido escolher, os independentistas teriam uma derrota, como aliás aconteceria noutras regiões espanholas onde o espírito nacionalista é vivo. Aquilo que na Grã Bretanha, com as pretensões escocesas à independência, foi resolvido sem qualquer drama, pois os escoceses escolheram o que entenderam, em Espanha dá origem ao triste espectáculo a que assistimos, com acusações segundo leis anacrónicas numa democracia. Não interessa aqui se se é favorável à independência da Catalunha ou não. Isso é um problema dos catalães. Enquanto a constituição espanhola não permitir a estes pronunciarem-se directa e livremente, Espanha estará sempre mais próxima da Turquia, onde os curdos estão subjugados pelo poder de Ancara, do que da Inglaterra. Um anacronismo da ordenação jurídica espanhola tão grande quanto o nacionalismo catalão.