sábado, 12 de dezembro de 2020

Sonhos numa noite de Verão 26

Norman Parkinson, Wedding outfits by Victor Stiebel, 1938
Murmuravam e riam. Enormes chapéus ocultavam-lhes os rostos. A princípio julguei-os risonhos e escarninhos, mas de súbito compreendi que neles não havia jovialidade, antes uma sisudez mortal, uma implacabilidade que não era humana. Tratavam de alguma coisa que me dizia respeito. Parecia haver uma dissensão sobre um fio. A que o tece e a que o cuida opunham-se à outra, aquela que o corta. Esta dizia está na hora, as outras exclamavam que estava enganada, que trocara o livro. O que interessa isso? Vou cortá-lo, ninguém nos pede contas se ele morrer mais cedo. As outras riram-se. Estremeci ao ouvi-las e comecei a correr por um túnel sem luz e sem fim. Acordei a gritar. Ainda me ouvi: as parcas, as parcas vêm buscar-me. 

2 comentários: