sexta-feira, 2 de abril de 2021

Sonhos numa noite de Verão 30

Margaret Bourke-White, Scottish highlanders and Indian
troops march past the Great Pyramid
, 1940
À curiosidade aliara-se o medo. Sentado na base da Grande Pirâmide, olhava para a paisagem inóspita e para os militares que marchavam. Sentia-me perplexo e perdido no tempo. Havia demasiadas coisas que a razão não compreendia, mas o que me atormentava eram as tropas. Não conseguia perceber como, sendo múmias antiquíssimas, se apresentavam com aquelas fardas e, maquinalmente, marchavam perante mim. Quando atingiam certo ponto da Pirâmide, entravam nela. Passado tempo, surgiam no lugar oposto, o rosto embalsamado imóvel, o corpo mecânico em passo militar, entregues, como Sísifo, a um destino imutável, a um eterno entrar e sair da Pirâmide. A cada retorno dos soldados mortos-vivos o pânico aumentava. Como fugi dali, ainda hoje não o sei. 

Sem comentários:

Publicar um comentário